A mulher, naturalmente, gosta de ser apreciada como pessoa. Quanta desilusão e amargura quando percebe que foi tratada como objecto de usar e deitar fora! E um vestido assim, comprido e largo e bonito, facilita muito que a considerem como pessoa. Porque, ao contrário de muitas indumentárias modernas, evita que, ao olhar para ela, a atenção seja brutalmente chamada para o seu corpo, de onde dificilmente sairá mesmo que passem muitos anos. Permite que se possa fixar mais nas características da sua personalidade, na sua feminilidade, no seu carácter, nas suas virtudes.
(Paulo Geraldo)