Existe um outro modo de exercer a liberdade, à primeira vista menos sublime, mais pobre, mais humilde, mas muito mais frequente, ao fim e ao cabo, e que é de uma imensa fecundidade humana e espiritual: não apenas escolher, mas também aceitar aquilo que não escolhemos.
(Jacques Philippe)