A razão não pode desencadear nem bloquear os sentimentos. Mas pode discipliná-los.
Os sentimentos, quando são um perigo, podem ser aprisionados. Como um puma.
Lá dentro, passeia-se o pobre sentimento, de trás para a frente, ruge, arreganha os dentes, encarniça-se contra as grades… mas, por fim, também quebra, perde o pêlo e os dentes, envelhece, faz-se triste e dócil.
É obra da razão. É possível adoçar e domesticar os sentimentos.

(Sándor Márai, in A mulher Certa)