Um homem pode pertencer todo a Deus, todo ao pai, todo à mãe, todo ao rei, todo à nação, todo aos filhos, todo aos amigos, de modo que pertencendo todo a cada um, não deixa de pertencer a todos. Isto é assim quando a obrigação que nos dá todo a uns não se opõe à que nos dá todo a outros.
(Autor desconhecido)