Política

Política, estadistas, políticos: um conjunto de frases, mensagens e pensamentos. O político é aquele que serve os outros cuidando daquilo que é de todos. A palavra ministro significa servidor. Esta tarefa exige muitas virtudes pessoais e um coração grande, onde caibam todos. Frequentemente se viu políticos que em vez de servir se serviram, e isso fez que a classe dos políticos não seja bem vista actualmente por muitas pessoas.


Cultura de morte

Quando se pretende tirar Deus da política, acabar-se-á sempre por se viver uma história de terror, tal como o foi o fundamentalismo laicista da Revolução Francesa com as suas guilhotinas, ou o fundamentalismo laicista dos Nazis, com as câmaras do gás, ou o fundamentalismo laicista dos comunistas com os campos de concentração, ou o fundamentalismo laicista dos defensores do aborto, não só na América, como na Europa modernas. O que vemos de comum nestes casos da nossa História é a cultura da morte que matou milhões de seres humanos.

(Alexandre Soljenitsin, 1918-2008, prémio Nobel de Literatura em 1970)

Não são ladrões apenas os que cortam as bolsas

Não são ladrões apenas os que cortam as bolsas.
Os ladrões que mais merecem este título, são aqueles a quem os Reis encomendam os exércitos e as legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais, pela manha ou pela força, roubam e despojam os povos.
Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades e reinos.
Os outros furtam correndo risco, estes furtam sem temor nem perigo.
Os outros, se furtam, são enforcados; mas estes furtam e enforcam.

Padre António Vieira – Sermão do Bom Ladrão (1655)
Proferido na Igreja da Misericórdia de Lisboa, perante o Rei D. João IV, a sua corte e os maiores dignitários do reino.

A gargalhada

A gargalhada nem é um raciocínio, nem uma ideia, nem um sentimento, nem uma crítica: nem é o desdém, nem é a indignação; nem julga, nem repele, nem pensa; não cria nada, destrói tudo, não responde por coisa alguma! E no entanto é o único inventário do mundo político em Portugal.
Um governo decreta? Gargalhada. Fala? Gargalhada. Reprime? Gargalhada. Cai? Gargalhada. E sempre a política, aqui, ou pensando, ou criando, ou liberal ou opressiva, terá em redor dela, diante dela, sobre ela, envolvendo-a, como a palpitação de asas de uma ave monstruosa, sempre, perpetuamente, vibrante, cruel, implacável – a gargalhada!

(Eça de Queiroz)

Quando malvados e palermas chegam democraticamente ao poder

Os povos têm os governantes que merecem; e, quando o governo é democrático, este mecanismo é ainda referendado pela soma dos votos. Quando os malvados e os palermas chegam democraticamente ao poder, pode dizer-se sem ponta de dúvida que a sociedade atingiu o grau mais abjecto de corrupção; pois, se elevar o que é por natureza inferior é sempre uma monstruosidade, quando essa elevação se obtém por vontade popular, somos forçados a concluir que a monstruosidade está enquistada no próprio sistema.
(Juan Manuel de Prada, in A Nova Tirania)

Quem quiser governar

Quem quiser governar bem um país, deve primeiro governar a sua cidade. Quem quiser governar bem a sua cidade, deve aprender a governar primeiro a sua família; e quem quiser governar bem a sua família deve aprender primeiro a governar bem a si próprio.
(Confúcio)

1 2 5