Deus: frases e pensamentos


Como estás longe e oculto e presente!

Senhor, como estás longe e oculto e presente! Oiço apenas o ressoar do teu silêncio que avança para mim e a minha vida apenas toca a franja límpida da tua ausência. Fito em meu redor a solenidade das coisas como quem tenta decifrar uma escrita difícil. Mas és Tu quem me lês e me conheces. Faz que nada do meu ser se esconda. Chama à tua claridade a totalidade do meu ser para que o meu pensamento se torne transparente e possa escutar a palavra que desde sempre me dizes.
(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Os meus filhos confiavam-se a mim

Creio que não compreendemos os desejos de Deus mais do que as crianças compreendem os nossos. Os meus filhos confiavam-se a mim, no sentido da própria existência, certos do meu amor e, por essa razão, prontos a acreditar que eu saberia melhor do que ninguém o que era bom para eles. Penso que assim devemos encarar a questão divina – apenas crer que Deus existe e olha por nós.

(Pearl Buck, in O Exílio, fala de Carie)

Viver como se não houvesse Deus

Eu preferiria viver a minha vida como se houvesse Deus e morrer descobrindo que não há, a viver como se não houvesse Deus e morrer para descobrir que afinal há.

(Albert Camus)

Quero demais, exijo demais

O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesmo compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que se não sente bem onde está, que tem saudades… sei lá de quê!

(Florbela Espanca)

Se o coração do homem não for bom

Não se pode governar a história com estruturas simplesmente materiais, prescindindo de Deus. Se o coração do homem não for bom, então nada mais se pode tornar bom. E a bondade do coração só pode vir d’ Aquele que em Si mesmo é a Bondade, o Bem.

(Bento XVI, Jesus de Nazaré)

Onde Deus é considerado uma grandeza secundária

Há uma frase do jesuíta alemão, Alfred Delp, condenado à morte pelos nazis: «O pão é importante, a liberdade é mais importante, mas o mais importante de tudo é a fidelidade constante e a adoração jamais atraiçoada».
Onde esta ordem de valores não for respeitada, mas invertida, deixa-se de conseguir a justiça, não mais se presta cuidado aos homens que sofrem; mas gera-se desorganização e destruição, mesmo no âmbito dos bens materiais. Onde Deus é considerado uma grandeza secundária, que temporária ou estavelmente se pode deixar de lado em nome de coisas mais importantes, então falham precisamente estas coisas mais importantes. E, a demonstrá-lo, não é só o desfecho negativo da experiência marxista…

(Bento XVI, in Jesus de Nazaré)

1 2 9