O amor ordenado não ama o que não deve, nem deixa de amar o que deve. Não ama mais o que deve amar menos, nem ama menos o que deve amar mais. Não ama por igual o que deve amar mais ou menos, nem ama mais ou menos o que deve amar por igual.
(Santo Agostinho)