A vontade necessariamente deseja o seu fim último e é incapaz de não o desejar (a felicidade); mas não necessariamente deseja alguns dos meios que levam ao seu fim.
(S. Tomás de Aquino)