Quando eu era miúdo, os nossos pais ensinavam-nos, antes de mais, a actuar bem, a escolher correctamente. Ficavam contentes quando tornávamos coisa nossa os seus conselhos, escolhendo livremente actuar dessa forma – e não apenas por medo a um castigo. Agora, parece que muitos pais, e muitos educadores, desistiram de actuar a esse nível. Preocupam-se mais com afastar das crianças os obstáculos exteriores: muitos cuidados com a saúde; estudar, para terem um futuro desafogado; imensas medidas de segurança…
E a felicidade?
(Paulo Geraldo)