Dizes-me que sim, que queres. – Está bem. Mas queres como um avaro quer ao seu ouro, como uma mãe quer ao seu filho, como um ambicioso quer às honras, ou como um pobrezito sensual, ao seu prazer? – Não? – Então, não queres.
(Josemaria Escrivá)