Por fim, o desejo era uma doença, ou uma loucura, ou ambas. Tornei-me descuidado em relação à vida dos outros. Retirava prazer daquilo que me agradava, e continuava. Esqueci-me de que todas as pequenas acções do dia a dia constroem ou destroem uma personalidade, e que, portanto, aquilo que se faz no segredo do quarto, terá um dia que ser dito em voz alta no topo dos edifícios Deixei de ser senhor de mim. Já não era o comandante da minha alma, e não o sabia.
(Oscar Wilde, in De Profundis)